Ultrassom Morfológico

Visualizando o bebê com o Ultrassom Morfológico no 2º trimestre

Você chegou ao segundo trimestre, chegou o momento de realizar novamente o ultrassom morfológico. Como seu bebê já está com o corpinho todo formado, este exame será muito importante.

O Ultrassom Morfológico do 2º trimestre pode trazer informações de até 80% das possibilidades de malformações genéticas e estruturais.

O exame também avalia minuciosamente os membros superiores e inferiores do bebê. Tem duração aproximada de 40 minutos, podendo ser realizado em 3D, 4D e até 5D.

Por meio dele, o médico consegue identificar problemas de formação em diversas estruturas e órgãos, como a coluna, estômago, rins, braços, mãos e pés. Além de medir veias e artérias do cérebro e do coração. É possível também visualizar a posição da placenta.

Qual a diferença do ultrassom morfológico e o normal?

A diferença do ultrassom morfológico é a qualidade da imagem e os detalhes que o exame consegue identificar e avaliar, maior do que o ultrassom tradicional.

Por ser mais completo, é pedido em uma fase onde seja realmente possível analisar o desenvolvimento do bebê.

Quando o ultrassom morfológico é indicado?

O exame deve ser feito entre a 20° e a 24° semana de gestação, sendo considerada a melhor época para fazer a visualização. Algumas situações que reforçam a realização do ultrassom:

  • Histórico familiar de malformação;
  • Diabetes tipo 1;
  • Uso de drogas;
  • Radiação ionizante (Raios-X);
  • Infecções;
  • Doenças genéticas;
  • Trombose.
  • Malformações

Em média, 50% das malformações são detectáveis já no primeiro trimestre. Quando o exame é repetido no segundo trimestre, esse número sobe para mais de 80%.

As cardiopatias congênitas são as malformações mais comuns e as que mais causam óbito neonatal.

Ultrassonografia Morfológica com Doppler. Como é?

Quando é feito o ultrassom morfológico com doppler, é possível avaliar o fluxo sanguíneo nas artérias uterinas. Assim, o médico consegue identificar se há alterações no crescimento fetal, além de poder avaliar o cordão umbilical e seus vasos e artérias.

Acompanhamento após o diagnóstico

O diagnóstico possibilita planejar as ações durante e após a gestação.

Anomalias como hérnia diafragmática congênita podem ser corrigidas intrauterinas.

Outras, como as cardiopatias congênitas, exigem maior assistência perinatal e programação cirúrgica posterior.

Nas malformações graves, além do suporte emocional à família, pode ser oferecido um acompanhamento pós-natal por uma equipe de cuidados paliativos pediátricos.

A ultrassonografia morfológica, quando bem aplicada, permite o conhecimento prévio das condições materno-fetais e permite um bom suporte para uma melhor evolução gestacional, perinatal e pós-natal.

Você já realizou o seu exame? Correu tudo bem? Conte sua experiência para nós através das nossas redes sociais!

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn